Publicidade

Após polêmica em redes sociais, 1ª Princesa de Modelo pede abdicação do título

Nota foi emitida pelo Governo Municipal de Modelo na tarde desta quarta-feira (6)

06 de Novembro
Publicidade

O Município de Modelo divulgou, na tarde desta quarta-feira (6), uma nota, informando o pedido de abdicação ao título de 1ª Princesa de Modelo, elaborado pela própria representante eleita. Tal atitude foi tomada após a grande repercussão que teve um vídeo polêmico, que rodou todo o Brasil. O vídeo, que está sendo investigado pela Polícia Civil de Pinhalzinho, foi gravado na saída de uma festa, na madrugada do dia 27 de outubro. 

Confira abaixo a nota do Governo Municipal, o pedido de abdicação da 1ª princesa e o resumo do caso.

Nota do Governo Municipal de Modelo:


A Comissão do Concurso de Escolha das Soberanas do Município de Modelo, informa que na manhã de hoje, recebeu da senhorita Laura Pegoraro comunicado com pedido de ABDICAÇÃO do Título de 1ª Princesa.

Face à Abdicação a Comissão declarou a vacância do cargo, e decidiu por unanimidade, com base no Regulamento do Concurso, manter as atividades sociais com as demais três soberanas eleitas.

Modelo (SC), 06 de Novembro de 2019.

Comissão Do Desfile

Confira, na íntegra, o pedido de abdicação:

Modelo, 06 de novembro de 2019.

Exmo. Sr. Prefeito Municipal de Modelo – SC

Ricardo Maldaner

            Eu, Laura Pegoraro, venho por meio deste, fazer uma nota de esclarecimento com relação ao ocorrido na noite de 26 de outubro de 2019, na casa de eventos Thunay.

            No vídeo, refiro-me às pessoas que estavam sem camisa e que me tocaram, exatamente assim, como “pessoas”, este foi o termo utilizado, nenhum outro termo e muito menos algum de cunho racista foi proferido por mim, pelo contrário, quando um termo dessa natureza foi dito, fui eu quem repreendeu a pessoa por trás de tais palavras. O motivo da minha reclamação não continha correlação alguma com a cor da pele de alguém, esse fator era indiferente, se a pessoa fosse branca, negra, parda nada disso mudaria. A reclamação nunca se deu ao fato de que alguém de tal cor me encostou. Tudo isso que falo pode ser visualizado no vídeo, acontece que muitas pessoas já receberam esse vídeo com um título desvirtuado da realidade e começaram a assisti-lo com um pré-julgamento, que desde o começo a reclamação se dava ao fato de eu ter sido tocada por alguém cuja cor da pele eu teria, de certa forma, aversão. Nada disso é verdade, peço que assistam o vídeo sob essa nova ótica e verão que a reclamação jamais teve relação com isso.

            Poucas pessoas se colocaram no meu lugar e assistiram o vídeo me dando o benefício da dúvida, se eu realmente estava reclamando de ter sido tocada por alguém de pele escura ou se eu estava reclamando do mau cheiro da pessoa que havia me tocado independente da sua cor de pele, porém, muitas preferiram tirar suas conclusões  apenas pelo título dado ao vídeo.

            Fui eleita primeira princesa do município de Modelo – SC no ano de 2019 e dada a proporção com que tudo isso tomou entendo por bem abdicar o título que me foi dado, evitando qualquer represália ao município.

            Junto com a faixa, deixo também um enorme pedido de desculpas a todos que se sentiram ofendidos, a intenção jamais foi essa, deixo claro que tenho profunda consciência da seriedade que um tema como o racismo deve ser encarado e consciência de que atos nesse sentido não possuem mais espaço na nossa sociedade.

            Apesar de muitas pessoas terem me procurado para julgar e apontar o dedo poucas me procuraram para abordar o tema de forma construtiva e educativa, ou seja, de uma maneira que realmente tenha algum impacto positivo, apesar disso, agradeço a todos que me apontaram o caminho rumo a ser uma pessoa melhor e levarei tudo como um grande aprendizado para a vida daqui em diante.

Laura Pegoraro”

Entenda o caso:

O suposto caso de racismo aconteceu em Pinhalzinho, na madrugada do dia 27 de outubro, após uma festa em uma casa de shows. Na ocasião, três jovens – dois maiores e uma adolescente, gravaram um vídeo, publicado posteriormente no perfil do Instagram de uma das participantes do vídeo.

No vídeo, que teve grande repercussão nas redes sociais, os participantes fazem perguntas e afirmações relacionadas a cor da pele de outras pessoas que também estavam na festa.

Após a grande repercussão, o vídeo passou a ser investigado também pela Polícia Civil de Pinhalzinho, que instaurou inquérito na última segunda-feira (4), para apurar o suposto crime de racismo praticado. Caso se confirme a prática delitiva, os adultos estão sujeitos às penas dos crimes de racismo qualificado e de corrupção de menores. A conduta da adolescente será apurada em procedimento próprio.



Publicidade
Publicidade