Publicidade

Colônia de férias da Educação segue até fevereiro em Pinhalzinho

17 de Janeiro
Publicidade

 

No dia 06 de janeiro iniciou a colônia de férias para crianças de Pinhalzinho com até 03 anos de idade. Conforme a Secretaria da Educação de Pinhalzinho, o período serve para os alunos que estejam matriculados na rede e para os pais que comprovaram ainda em novembro de 2019, mediante documentação da empresa, que em janeiro não estarão em recesso, e não terão onde deixar seus filhos.

Em 2018, cerca de 90 alunos participaram da Colônia de Férias, já no ano passado foram atendidas 140 crianças, e no ano de 2020 a Secretaria de Educação está atendendo aproximadamente300 crianças. O atendimento está acontecendo na Escola de Educação Infantil João Triches do bairro Nova Divinéia, e no Ceim Gente Feliz do bairro Pioneiro.

Conforme o secretário de Educação, Fabricio Fontana, os critérios para participar permaneceram os mesmos dos anos anteriores. “As crianças têm direito de férias em casa, devem passar um período com suas famílias e isso é importante e faz parte da construção e desenvolvimento dessas crianças. Disponibilizamos essa colônia de férias, para aqueles que realmente não tem onde deixar seus filhos neste período”, disse Fabricio.

O secretário complementa ainda que o modelo de colônia de férias está sendo terceirizado, como no ano anterior. “São dias em que as crianças vão para se divertir, para brincar, como o próprio nome diz, colônia de férias, não englobando a parte pedagógica. Então elas participam juntamente com os professores(as), de atividades diferenciadas como, cinema, cantigas e até o momento do sono dependendo da faixa etária”, ressalta.

O funcionamento desta colônia de férias vai até 06 de fevereiro de 2020. Conforme Fabricio, o objetivo da Secretaria de Educação é executar o que está posto em decreto e ajudar numa necessidade dos pais. “São critérios bem claros, apenas para quem não consegue ficar com o filho(a). Por isso não é para todos, nós temos que garantir o direito da criança a conviver e ter esse ambiente familiar como base para o seu desenvolvimento, crescimento e socialização com a comunidade”, destacou Fabricio.

Publicidade
Publicidade