Publicidade

Secretaria de Agricultura apresenta Plano Safra 2020/2021 aos produtores

Programa disponibiliza R$ 236 bilhões em crédito a nível nacional. Queda nos juros ficou abaixo da expectativa do setor

30 de Junho
Publicidade
  Nesta segunda-feira (29), a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) e a Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca (SAR) realizaram uma conferência online para apresentar o Plano Safra 2020/2021 para os produtores catarinenses.

O plano foi anunciado pelo Governo Federal há 15 dias e contará com R$ 236,3 bilhões em crédito para apoiar a produção agropecuária nacional. Deste montante, R$ 179,3 bilhões (alta de 5,9% em relação ao ano passado) será destinado a financiamentos de custeio e comercialização, e outros R$ 56,9 bilhões (alta de 6,6%) de crédito para investimentos em infraestrutura.

"Os valores anunciados no Plano Safra representam um grande esforço do Governo Federal. Mesmo assim a gente sabe que, pelo contexto atual, as negociações com as instituições financeiras deverão ser difíceis pela quantidade de garantias exigidas. Além disso, os bancos privados continuam não operando os programas do Plano, o que dificulta a disponibilidade dos recursos na ponta", destacou o secretário de Agricultura e Pesca, Ricardo de Gouvêa.


Apesar do aumento nos valores, o setor esperava uma queda maior nos juros - caíram entre 0,25% a 2% para custeio e entre 1% a 2% para investimentos. "A taxa de juros está um pouco maior do que o esperado, ainda mais considerando a taxa Selic que está no menor valor da história, mas a gente sabe que esse cenário pode mudar e esse valor fixo dá uma segurança para o produtor trabalhar", ressaltou Gouvêa.

Para amenizar a situação, a Epagri recomenda que os produtores utilizem, além dos programas do Governo Federal, alguns subsídios oferecidos pelo Estado. "Esperávamos juros menores, mas é importante reconhecer que já houve uma redução. Se o agricultor somar esse apoio com alguns programas de subsídio do Estado, ele consegue financiamentos com juros próximos a zero", ressaltou o coordenador de políticas públicas da Epagri, Hoilson Fogolari.

Menor participação

Nos últimos anos, a participação catarinense na tomada de crédito rural tem diminuído. Na safra 2014/2015, o Estado registrou 177 mil contratos no valor de R$ 10,4 bilhões. Já na safra 2019/20 esses números caíram para 113 mil contratos e R$ 8,7 bilhões, uma queda de -16,3% no valor emprestado.

A participação nos empréstimos a nível nacional também caiu: em 2014/15 o Estado representava 6,4% do crédito rural tomado no país, valor que caiu para 5% na última safra.

Metodologia de estimativa

Durante a conferência, a Epagri também lançou um documento que aborda as metodologias para estimativa de produtividade de grãos. A publicação engloba aspectos técnicos para a realização de projeções nas lavouras de milho, trigo, soja e feijão.

"Este documento é importante pois nos dá clareza e um respaldo para realizarmos as estimativas de produção em diferentes culturas e regiões. Desta forma, não teremos diferença neste cálculo, já que a metodologia utilizada será a mesma", afirmou a presidente da Epagri, Edilene Steinwandter.
Publicidade
Publicidade