Publicidade

“Cuidar da saúde mental requer que tenhamos como hábito olhar para si mesmos”, aponta psicóloga

Mês de conscientização a saúde mental debate a importância do autoconhecimento e a quebra de preconceitos quanto a doenças mentais

21 de Janeiro
Publicidade

 

Assim como o Outubro Rosa e o Novembro Azul, outros meses carregam cores de conscientização. O mês de janeiro é branco, para tratar do cuidado com saúde mental. O branco foi escolhido como em uma “folha ou em uma tela em branco”, todas as pessoas podem ser inspiradas a escreverem ou a reescreverem as suas próprias histórias de vida.

A psicóloga novaerechinense Claudia Frozza, retrata a importância do debate sobre o tema. “Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social. Tal definição é importante por apontar que a saúde mental de alguém não é apenas afetada por um transtorno psicológico. A saúde mental é determinada por uma série de fatores socioeconômicos, biológicos e ambientais.”, explica.

Segundo Claudia, cuidar da saúde em geral é importante para evitar qualquer tipo de desequilíbrio. “Não há divisão entre corpo e mente. A doença é sempre um desequilíbrio físico/químico e emocional do nosso organismo. Cuidar da nossa saúde é cuidar do nosso bem estar físico, mental e social e buscar sempre o equilíbrio em tudo o que vivemos e fazemos.”.

Um dos passos básicos com a saúde mental, é se autoconhecer. “Gatilho mental é uma situação que desencadeia uma reação emocional, trazendo à tona sentimentos, pensamentos e comportamentos específicos. Todos os dias nossos gatilhos emocionais são acionados. Quando negativos, podem atrapalhar nossa vida, identificá-los pode ajudar, porém não é uma tarefa simples. Identificar o que nos incomoda é cuidar da nossa saúde emocional e isso exige exercício constante de olhar para si, para o que está sentindo, se conectar, estar presente em si mesmo. Nunca ignorar nenhuma emoção, seja ela boa ou ruim. Isso é autoconhecimento, isso é cuidar de si mesmo.” indica.

A psicologia traz algumas dicas para manter o bem estar mental. “Se a nossa saúde mental é determinada por fatores biológicos, socioeconômicos e ambientais, devemos então cuidar desse todo, buscar o equilíbrio sempre. A dica é cuidar de si próprio, manter bons relacionamentos, priorizar momentos de lazer, ter um hobby, aprender a “desligar” por alguns momentos, aprender a manejar o estresse/preocupações, praticar alguma atividade física regularmente, exercitar o “não”. Cuidar da saúde mental requer que tenhamos como hábito olhar para si mesmo, para as nossas necessidades sempre.”, aponta.

Cuidar de si, inclui perceber quando é preciso buscar ajuda profissional. “A ajuda deve ser buscada sempre que perceber que os sentimentos se tornaram emoções negativas constantes. Ficar triste, ter medo, preocupar-se, estar desmotivado, cansado é normal, mas sentir-se assim o tempo todo é sinal de que algo não está bem e é hora de buscar orientação profissional.”,ressaltou a novaerechinense.

De acordo com Claudia, a campanha do Janeiro Branco é muito necessária para quebrar barreiras, “O objetivo de informar, falar sobre as doenças emocionais, valorizar o cuidado buscando a devida importância que deve ser dada, combatendo estigma e preconceito. A campanha também se dedica a mostrar à sociedade a importância dos poderes públicos no sentido da criação de políticas públicas voltadas para a Saúde Mental das pessoas, das instituições sociais e valorização dos profissionais que atuam nessa rede de atendimento psicossocial à população.”, afirmou.

 

 

 

Publicidade
Publicidade